Pular para o conteúdo principal

Psicodelismo nos anos 60

Alô, pessoas!
Muitos amantes da música apreciam músicas psicodélicas que possuem letras e arranjos musicais que nos fazem lembrar muito a arte surrealista, que engloba aspectos e cores diferentes, que transmitem sensações como a de estar em um sonho ou simplesmente demonstrar insanidade. 
Assim como a arte surrealista, o psicodelismo musical veio a partir de mudanças do cotidiano das pessoas. Quebrou paradigmas e ainda faz sucesso com inúmeras músicas enigmáticas. 
Para entender o psicodelismo, é necessário entender desde o início dos anos 60, apesar de ter ganhado força apenas na segunda metade da década. 
Os anos 60 foi uma década marcada por vários acontecimentos históricos e situações que influenciaram na tecnologia, da moda, na música, no cinema e até na forma de agir das pessoas. O começo dessa década foi marcado pelo o conservadorismo das pessoas. Pessoas mais velhas incentivavam que os filhos seguissem o mesmo caminho deles. Jovens nascidos no período pós-guerra viviam em um mundo totalmente conservador, que estabelecia padrões para uma vida melhor. 
Por mais houvessem imagens que transmitiam rebeldia ao longo dos anos 50, como Elvis Presley e Marilyn Monroe, o mundo ainda desejava quebrar os padrões conservadores da época. 
Isso aconteceu quando os Beatles começaram a fazer sucesso, em 1962. Apesar de que eles escreviam músicas românticas e sem relevância social no início da carreira e usavam ternos para que tivessem uma aparência convencional, eles representavam a rebeldia da época, pois a forma que eles agiam no palco e nas entrevistas era algo totalmente novo.
A rebeldia dos Beatles influenciou na criação de muitas bandas da época, como os Rolling Stones, The Doors, The Byrds e vários outros. Rebeldia essa que se tornou viral. As pessoas começaram a usar roupas mais coloridas e diferentes. Mulheres começaram a usar mini-saia — grande criação de Mary Quant — e roupas mais curtas. 
No ano de 1965, os Beatles passaram por uma fase experimental. O álbum "Rubber Soul" tem características diferentes dos outros álbuns da banda, pois possui letras menos inocentes em comparação com o primeiro álbum lançado, em 1962, mais poéticas e com arranjos que as pessoas nunca tinham ouvido até então, tal como usar instrumentos diferentes como a cítara e utilizar estilos diferentes em algumas músicas, como na música Michelle, que tinha inspiração na música francesa. Esse álbum ficou conhecido como ''o álbum da erva'', se referindo à maconha.
Mas os Beatles não foram os únicos a colocar em prática o psicodelismo. O livro The Psichedelic Experience (A Experiência Psicodélica), de Timothy Leary, Ralph Metzner e Richard Alpert, foi lançado em 1964, e a temática falava sobre a experiência com as drogas alucinógenas, que se popularizaram bastante nesse período. Mas apesar da presença desse livro, o que jogou psicodelismo nas mãos da música foram os Beatles, pois, indo para 1965, John Lennon conheceu tal livro e dele tirou inspiração para escrever um marco para o psicodelismo: a música Tomorrow Never Knows, presente no álbum lançado no ano seguinte, o álbum ''Revolver'', de 1966.
É importante ressaltar que Tomorrow Never Knows foi diferente por vários fatores, tais como os loops gravados de outras músicas, áudios gravados ao contrário — igual quando o LP é girado na direção oposta no toca disco —, uma letra enigmática e um verso retirado do próprio livro: ''Desligue sua mente, relaxe e flutue correnteza abaixo'', presente na introdução do livro.
A partir daí, o psicodelismo marcou presença na música e na cultura pop. Bandas como Jefferson Airplane, The Jimi Hendrix Experience, Pink Floyd, Iron Butterfly e entre outras diversas, surgiram com o estilo psicodélico em suas músicas e roupas, sendo ícones da cultura underground.
Músicas como White Rabbit (Jefferson Airplane) e In-A-Gadda-Da-Vida (Iron Butterfly) se tornaram grandes hinos do psicodelismo dos anos 60 — além de Tomorrow Never Knows —, conhecidas por causa da letra que faz referências como Alice no País das Maravilhas, como canta Grace Slick em White Rabbit ou por possuir um dos riffs mais famosos do mundo — e mais longos — , como In-A-Gadda-Da-Vida, apesar de ter virado uma daquelas músicas que todo mundo conhece, mas não sabe o nome da música ou da banda.
No Brasil, o psicodelismo foi diferente ao psicodelismo da Inglaterra ou Estados Unidos, pois não era comum encontrar letras que faziam referências à drogas, mas mantinha as letras enigmáticas, já que o Brasil estava passando por uma ditadura militar. Grandes vozes e compositores como Caetano Veloso, Gilberto Gil e Elis Regina e bandas como Os Mutantes, fizeram a história da música brasileira. Músicas como Alegria, Alegria (Caetano Veloso) e Panis et Circenses, composta por Caetano Veloso e Gilberto Gil, interpretada pela a banda Os Mutantes, são dois grandes exemplos de músicas que representaram bem o estilo psicodélico na música brasileira.
Essa experiência psicodélica que o mundo teve durante os anos 60 foi, literalmente, surreal. E ainda mantém seu sucesso mesmo depois de muitos anos, influenciando grandes artistas, o que prova que o surrealismo durante a Fase Heroica do modernismo nos anos 20 e o psicodelismo do anos 60 trabalham juntos, criando novos elementos para o mundo da arte, como a pintura, o cinema, o teatro e, claro, a música.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia

 Alô, pessoas! A filosofia e a sociologia andam praticamente de mãos dadas. Muitas ideias da sociologia se aplicam nas reflexões filosóficas a respeito do mundo e a música é um dos inúmeros exemplos que expressam essas ideias e reflexões.  Muitas músicas que conhecemos possuem letras que muitas vezes nem percebemos que estão falando de um tema abordado na filosofia ou na sociologia. Também há a questão de a música fazer referência a um filósofo ou sociólogo famoso sendo de forma intencional ou não.  Pensando nisso, reuni dez músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia. Essas músicas podem te ajudar nos estudos dos assuntos abordados nas letras ou até citar em redações de vestibulares! Vamos lá! 10- O Mundo é um Moinho (Cartola) Um conselho importantíssimo do Cartola para todos nós. Essa música segue um pouco da lógica do filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo existencialista. A ideia da música e a do filósofo está voltada para a liberdade de escolha de um indivíduo. Enquan

5 músicas para entender o Arcadismo

Alô, pessoas! O arcadismo foi um movimento artístico que se baseava na valorização da natureza, da simplicipdade da vida no campo e aversão à cidade. Esse período, no Brasil, se estendeu ao longo do século XVIII e teve fim no século XIX. As músicas que você vai conhecer não são as músicas da época, e sim letras que retratam as caractéristicas comuns no arcadismo. A música durante o período do arcadismo, que também pode ser chamado de neoclassicismo , envolve a música erudita, que não é o tipo de música que será abordada aqui.  Na intenção de ajudar aquelas pessoas que precisam de ajuda para entender os movimentos literários e tem dificuldade em interpretar a poesia árcade, reuni cinco músicas que vão auxiliar no entendimento desse movimento literário tão lindo. Vamos lá! 5- No Rancho Fundo - Chitãozinho e Xororó  A relação que essa música tem com o arcadismo é que durante a letra podemos ouvir as tristezas de um vivente no campo. Em vários versos estão presentes referências à natureza

USA For Africa (1985): Quem participou?

Alô, pessoas!  Talvez você já deve ter ouvido em algum lugar alguém cantando "we are the world, we are the children", e lembrou na mesma hora de muitos cantores cantando juntos uma música que marcou uma geração e que ainda é reconhecida pela a grande ação que fez.  U.S.A For Africa é o nome de um grupo formado por muitos cantores que eram aclamados por todos durante a década de 80. Esse projeto tinha como objetivo principal arrecadar dinheiro para ajudar os vários países da África que estavam passando por uma situação ruim.  Esse projeto teve como produtor Quincy Jones, um dos maiores produtores musicais. A letra música foi composta por dois grandes artistas da época: Michael Jackson e Lionel Richie, e o clipe teve a presença de cinquenta e um artistas, incluindo os instrumentistas.  Foi uma grande iniciativa e muitos hoje olham para o clipe e dizem "eu conheço esse cantor!", mas acabam esquecendo dos outros por não conhecer o trabalho deles ou por algum