Pular para o conteúdo principal

5 intérpretes que conseguiram te enganar com suas versões

Alô, pessoas! 
Todo mundo já ouviu uma música e falou: "Uau, que música incrível" ou "esse cantor sabe compor", e, infelizmente, algum tempo depois descobre que a música não é daquele artista e sim é uma versão. 
Por mais que seja triste saber que uma música que você conhece há muito tempo seja de outra pessoa, não é muito bom viver em uma ilusão e também é interessante saber de uma coisa que só um verdadeiro fã saberia. 
Assim, é hora de sair da caverna e aceitar algumas verdades à respeito de algumas determinadas músicas que, imagino eu, várias pessoas acreditavam que eram de um determinado artista, mas descobriu que era uma versão ou uma interpretação. 
Vamos lá! 

5°- Malandragem — Cássia Eller
A música que atiça a rebeldia interior de um adolescente e uma das mais famosas na voz de Cássia Eller na verdade não é dela. A música foi escrita por ninguém mais, ninguém menos que Cazuza e Frejat, e Cássia Eller foi a intérprete. 
Mas o fato da música não ser dela, não tira a razão de sua genialidade, já que inúmeras de suas interpretações de músicas escritas por outros artistas se tornaram únicas. Ela tinha o poder de colocar a própia personalidade na hora de cantar uma música. 

4°- Astronauta de Mármore — Nenhum de Nós 
Essa, talvez, só os fãs de ambas as versões saberiam, mas vale a pena incluir. 
Essa música é uma versão em português da música "Star Man", de David Bowie. A questão é que a versão em português ficou mais famosa aqui no Brasil que a própria versão original, o que a ofuscou um pouco, mas esse fato não muda que ambas versões são incríveis! 

3°- You Don't Own Me — Grace
Desculpa, fãs de Esquadrão Suicida, mas essa música não é de quem vocês acham que é. E ela muito mais antiga do que imaginam! 
Essa música é uma composição de John Madara e David White e foi cantada por Lesley Gore, em 1963. 
É difícil imaginar que essa musica é da década de 60, já que possui arranjos totalmente diferentes da época, principalmente para o começo da década. Podemos dizer que é uma música à frente de seu tempo, apesar de ter se perdido ao longo dos anos. 

2°- Ievan Polka — Hatsune Miku
Os otakus de plantão e fãs da música por ela grudar na cabeça com facilidade podem ir à loucura por algo como isso — ou não. 
Como muitos sabem, Hatsune Miku é uma cantora virtual e muitas músicas dela são criadas por fãs em um programa específico, mas isso não muda o fato de que ela é reconhecida como uma cantora — assim como Gorillaz. 
A questão aqui é que "Ievan Polka" possui como donos o grupo finlandês Loituma. Mas o curioso é que na versão mais "tecnológica" da música a Hastune Miku não parece estar cantando fielmente ao versão original. 

1°- Twist and Shout — The Beatles
Sim, meus amigos! Uma das músicas mais conhecidas da banda não é deles, e sim um cover, como outras músicas do mesmo disco. 
A música foi originalmente lançada em 1962 pela banda The Isley Brothers, mas, nesse mesmo ano, os Beatles também fizeram um cover para o disco de estreia,  o Please Please Me, e, assim, a versão deles ficou mais conhecida que a original. 

Talvez algumas dessas revelações tenham surpreendido até demais. Mas é normal, e não vai ser a primeira vez que vamos nos surpreender como esse mundo abrangente que é a música. Há muitas outras versões que deveriam estar aqui, afinal não foram apenas cinco vezes que alguns intérpretes conseguiram nos enganar com suas versões, que são incríveis e originais, vale lembrar. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia

 Alô, pessoas! A filosofia e a sociologia andam praticamente de mãos dadas. Muitas ideias da sociologia se aplicam nas reflexões filosóficas a respeito do mundo e a música é um dos inúmeros exemplos que expressam essas ideias e reflexões.  Muitas músicas que conhecemos possuem letras que muitas vezes nem percebemos que estão falando de um tema abordado na filosofia ou na sociologia. Também há a questão de a música fazer referência a um filósofo ou sociólogo famoso sendo de forma intencional ou não.  Pensando nisso, reuni dez músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia. Essas músicas podem te ajudar nos estudos dos assuntos abordados nas letras ou até citar em redações de vestibulares! Vamos lá! 10- O Mundo é um Moinho (Cartola) Um conselho importantíssimo do Cartola para todos nós. Essa música segue um pouco da lógica do filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo existencialista. A ideia da música e a do filósofo está voltada para a liberdade de escolha de um indivíduo. Enquan

5 músicas para entender o Arcadismo

Alô, pessoas! O arcadismo foi um movimento artístico que se baseava na valorização da natureza, da simplicipdade da vida no campo e aversão à cidade. Esse período, no Brasil, se estendeu ao longo do século XVIII e teve fim no século XIX. As músicas que você vai conhecer não são as músicas da época, e sim letras que retratam as caractéristicas comuns no arcadismo. A música durante o período do arcadismo, que também pode ser chamado de neoclassicismo , envolve a música erudita, que não é o tipo de música que será abordada aqui.  Na intenção de ajudar aquelas pessoas que precisam de ajuda para entender os movimentos literários e tem dificuldade em interpretar a poesia árcade, reuni cinco músicas que vão auxiliar no entendimento desse movimento literário tão lindo. Vamos lá! 5- No Rancho Fundo - Chitãozinho e Xororó  A relação que essa música tem com o arcadismo é que durante a letra podemos ouvir as tristezas de um vivente no campo. Em vários versos estão presentes referências à natureza

USA For Africa (1985): Quem participou?

Alô, pessoas!  Talvez você já deve ter ouvido em algum lugar alguém cantando "we are the world, we are the children", e lembrou na mesma hora de muitos cantores cantando juntos uma música que marcou uma geração e que ainda é reconhecida pela a grande ação que fez.  U.S.A For Africa é o nome de um grupo formado por muitos cantores que eram aclamados por todos durante a década de 80. Esse projeto tinha como objetivo principal arrecadar dinheiro para ajudar os vários países da África que estavam passando por uma situação ruim.  Esse projeto teve como produtor Quincy Jones, um dos maiores produtores musicais. A letra música foi composta por dois grandes artistas da época: Michael Jackson e Lionel Richie, e o clipe teve a presença de cinquenta e um artistas, incluindo os instrumentistas.  Foi uma grande iniciativa e muitos hoje olham para o clipe e dizem "eu conheço esse cantor!", mas acabam esquecendo dos outros por não conhecer o trabalho deles ou por algum