Pular para o conteúdo principal

O período romântico na música

Alô, pessoas! 
É "amor" a primeira palavra que vem em sua cabeça quando se fala de "romantismo"? É uma música com versos apaixonados que vem em sua cabeça quando se fala em "música romântica"? Bem, de uma certa forma, não está errado. Mas o período romântico, ou romantismo, não tem completa relação com o amor, e as músicas desses período, com certeza, não tinham versos com palavras apaixonadas. Para entender melhor sobre esse período, musicalmente falando, é preciso entender o que de fato foi o período romântico e algumas características importantes. 
O romantismo nada mais é do que um movimento artístico que começou na Europa durante o século XVIII. E tem esse nome porque as obras literárias (livros, poesias, poemas, etc) passaram a ser maiores, o que explica um livro de ficção ser chamado de "romance". Mas apesar disso, não significa que não houveram obras relacionadas ao amor, e as três fases desse período mostra isso, tanto na literatura e na pintura, quanto na música. 
O romantismo sucedeu o período que na música é conhecido como clássico ou classicismo. Beethoven foi o compositor de transição do clássico para o romântico, fazendo parte de ambos períodos, sobretudo,no romantismo.
Além de Bethoven, se destacam Chopin, Liszt, Paganini, Schubert, Wagner, Schumann, Mendelssohn, Brahms e entre outros. Cada compositor tinha sua forma de compor, mas possuiam algumas características em comum tais como um aprimoramento melódico e harmônico totalmente diferente do classicismo e uma amplitude de técnicas que não tinham muita força no período anterior. 
Assim como em todo período artístico ao longo da história, a parte musical romântica nega algumas estruturas e costumes clássicos, e isso foi criando uma identidade para o período romântico. Uma dessas negacões é a questão da utilização de semitons — utilizado com frequência por Chopin — e o fato de colocarem uma expressão maior dentro das músicas, acentuando seus sentimentos e emoções com uma liberdade maior. 
Um sentimento nacionalista cresceu entre os artistas românticos, e dentro da música, os compositores mostravam ritmos e danças tradicionais e o folclore de seus países. Nesse sentido, se detacam Polonaise Heroica, de Chopin e as inúmeras Rapsódias Húngaras de Liszt. 
O auge do romantismo foi durante o século XIX, onde a valorização do obscuro, do melancólico e do sofrimento estava em alta em diversas áreas artísticas. Muitas composições desse século apresentavam uma estrutura mais sombria, como pode se notar em muitos noturnos de Chopin. E nesse mesmo período, os Estudos, mais conhecidos como "Études" ou "Etudes", ficaram populares, pois exigia uma técnica muito boa de um instrumentista. Servia —  ainda serve — como um meio de praticar muitas técnicas ou apenas uma específica. 
 E no Brasil, temos Antônio Carlos Gomes, compositor de umas das músicas mais conhecidas e tocadas na rádio: O Guarani, que foi usada como tema de abertura para o programa de rádio "A Voz do Brasil". 
O período romântico dentro da música acabou no final do século XIX e, por causa disso, muitos compositores que viveram o tanto o século XIX, quanto o século XX, serviram como transição dos dois períodos, como Beethoven serviu de transição do clássico para o romântico. Compositores que servem de exemplo são Satie, Debussy e Ravel, que foram percurssores de um estilo e uma estrutura musical completamente diferente da estrutura romântica. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia

 Alô, pessoas! A filosofia e a sociologia andam praticamente de mãos dadas. Muitas ideias da sociologia se aplicam nas reflexões filosóficas a respeito do mundo e a música é um dos inúmeros exemplos que expressam essas ideias e reflexões.  Muitas músicas que conhecemos possuem letras que muitas vezes nem percebemos que estão falando de um tema abordado na filosofia ou na sociologia. Também há a questão de a música fazer referência a um filósofo ou sociólogo famoso sendo de forma intencional ou não.  Pensando nisso, reuni dez músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia. Essas músicas podem te ajudar nos estudos dos assuntos abordados nas letras ou até citar em redações de vestibulares! Vamos lá! 10- O Mundo é um Moinho (Cartola) Um conselho importantíssimo do Cartola para todos nós. Essa música segue um pouco da lógica do filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo existencialista. A ideia da música e a do filósofo está voltada para a liberdade de escolha de um indivíduo. Enquan

5 músicas para entender o Arcadismo

Alô, pessoas! O arcadismo foi um movimento artístico que se baseava na valorização da natureza, da simplicipdade da vida no campo e aversão à cidade. Esse período, no Brasil, se estendeu ao longo do século XVIII e teve fim no século XIX. As músicas que você vai conhecer não são as músicas da época, e sim letras que retratam as caractéristicas comuns no arcadismo. A música durante o período do arcadismo, que também pode ser chamado de neoclassicismo , envolve a música erudita, que não é o tipo de música que será abordada aqui.  Na intenção de ajudar aquelas pessoas que precisam de ajuda para entender os movimentos literários e tem dificuldade em interpretar a poesia árcade, reuni cinco músicas que vão auxiliar no entendimento desse movimento literário tão lindo. Vamos lá! 5- No Rancho Fundo - Chitãozinho e Xororó  A relação que essa música tem com o arcadismo é que durante a letra podemos ouvir as tristezas de um vivente no campo. Em vários versos estão presentes referências à natureza

USA For Africa (1985): Quem participou?

Alô, pessoas!  Talvez você já deve ter ouvido em algum lugar alguém cantando "we are the world, we are the children", e lembrou na mesma hora de muitos cantores cantando juntos uma música que marcou uma geração e que ainda é reconhecida pela a grande ação que fez.  U.S.A For Africa é o nome de um grupo formado por muitos cantores que eram aclamados por todos durante a década de 80. Esse projeto tinha como objetivo principal arrecadar dinheiro para ajudar os vários países da África que estavam passando por uma situação ruim.  Esse projeto teve como produtor Quincy Jones, um dos maiores produtores musicais. A letra música foi composta por dois grandes artistas da época: Michael Jackson e Lionel Richie, e o clipe teve a presença de cinquenta e um artistas, incluindo os instrumentistas.  Foi uma grande iniciativa e muitos hoje olham para o clipe e dizem "eu conheço esse cantor!", mas acabam esquecendo dos outros por não conhecer o trabalho deles ou por algum