Pular para o conteúdo principal

5 músicas que são mais antigas do que se imagina

Alô, pessoas! 
Às vezes ouvimos músicas que nos fazem pensar que são novas gravações ou novas composições, mas, por algum motivo aparente, descobrimos que são muito mais antigas e que na verdade é uma versão regravada e remasterizada ou simplesmente um cover. 
Talvez motivo para pensarmos isso de algumas músicas é que ela se encaixa perfeitamente com o padrão de sonoridade da época em que foi relançada. 
Da mesma forma que descobrimos intérpretes que conseguiram nos fazer acreditar que a música são deles, vamos conhecer algumas músicas que são bem mais antigas do que aparentam ser. 
Vamos lá! 

5°- You Don't Own Me
Das diversas versões dessa música, fica até difícil descobrir quando ela realmente foi lançada. São muitas regravações e covers! Mas, como já foi dito, uma das versões mais conhecidas é a versão da cantora Grace, de 2016. E é uma diferença gigantesca da regravação de 2016 para a versão original: aproximadamente 53 anos. A música foo gravada na voz da cantora Lesley Gore, em 1963.


4°- Devolva-me 
Todo mundo já deve ter ouvido a voz doce e calma de Adriana Calcanhotto cantando "rasgue as minhas cartas e não me procure mais...", certo? E talvez as pessoas mais jovens devem ter imaginado que a música é uma composição dela ou é uma música lançada no ano em que ela gravou a versão. Mas, por estar nessa lista, a música é uma cover de uma música dos anos 60, da dupla Leno e Lilian. 


3°- Dê Um Rolê
Quem assistiu a novela Rock Story (2016), da Rede Globo, vai lembrar que no final de cada capítulo essa música era usada como encerramento na voz da cantora Pitty
Pitty regravou esse clássico dos anos 70 — 1971, para ser mais exata —, e algumas pessoas acharam que era uma composição da cantora, pois é colocou a própia personalidade na música e usou um outro arranjo, fazendo o cover dela se tornar original e "adaptado para o século XXI". A música à banda Novos Baianos. 


2°- A valsa da Bela Adormecida 
Todo fã da Disney que se preze já deve ter assistdo A Bela Adormecida, e ouviu a Aurora cantar ou dançar com o príncipe ao som de uma música única. 
O filme foi lançado no ano de 1958 e a música tema é uma composição de Tchaikovsky, um compositor russo do século XIX. 
A música de Tchaikovsky tem o mesmo nome e foi composta para o balé de A Bela Adormecida, e faz parte de um suite. A única diferença da música do compositor russo para a versão do filme é algumas poucas notas. 


1°- Bang Bang (My Baby Shot Me Down) 
Essa música possui muitas versões desde que foi gravada e talvez ela tenha ficado muito mais popular com o filme Kill Bill. Mas acontece que, do lançamento da música até o lançado do filme são, aproximadamente, 37 anos de diferença. 
A música foi lançada em meados de 1966, na voz da cantora Nacy Sinatra (sim, a filha de Frank Sinatra!). 


A maioria das músicas citadas fizeram parte da trilha sonora de alguma novela ou de algum filme. E, apesar delas terem feito muitas pessoas pensarem que elas foram lançadas no ano em que foram regravadas, é importante lembrar que essas músicas possuem um toque especial, esse o qual está ligado à uma questão de nunca ser esquecida e carregar consigo frases de opinão dos ouvintes como: "essa música é antiga, mas é tão atual".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia

 Alô, pessoas! A filosofia e a sociologia andam praticamente de mãos dadas. Muitas ideias da sociologia se aplicam nas reflexões filosóficas a respeito do mundo e a música é um dos inúmeros exemplos que expressam essas ideias e reflexões.  Muitas músicas que conhecemos possuem letras que muitas vezes nem percebemos que estão falando de um tema abordado na filosofia ou na sociologia. Também há a questão de a música fazer referência a um filósofo ou sociólogo famoso sendo de forma intencional ou não.  Pensando nisso, reuni dez músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia. Essas músicas podem te ajudar nos estudos dos assuntos abordados nas letras ou até citar em redações de vestibulares! Vamos lá! 10- O Mundo é um Moinho (Cartola) Um conselho importantíssimo do Cartola para todos nós. Essa música segue um pouco da lógica do filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo existencialista. A ideia da música e a do filósofo está voltada para a liberdade de escolha de um indivíduo. Enquan

5 músicas para entender o Arcadismo

Alô, pessoas! O arcadismo foi um movimento artístico que se baseava na valorização da natureza, da simplicipdade da vida no campo e aversão à cidade. Esse período, no Brasil, se estendeu ao longo do século XVIII e teve fim no século XIX. As músicas que você vai conhecer não são as músicas da época, e sim letras que retratam as caractéristicas comuns no arcadismo. A música durante o período do arcadismo, que também pode ser chamado de neoclassicismo , envolve a música erudita, que não é o tipo de música que será abordada aqui.  Na intenção de ajudar aquelas pessoas que precisam de ajuda para entender os movimentos literários e tem dificuldade em interpretar a poesia árcade, reuni cinco músicas que vão auxiliar no entendimento desse movimento literário tão lindo. Vamos lá! 5- No Rancho Fundo - Chitãozinho e Xororó  A relação que essa música tem com o arcadismo é que durante a letra podemos ouvir as tristezas de um vivente no campo. Em vários versos estão presentes referências à natureza

USA For Africa (1985): Quem participou?

Alô, pessoas!  Talvez você já deve ter ouvido em algum lugar alguém cantando "we are the world, we are the children", e lembrou na mesma hora de muitos cantores cantando juntos uma música que marcou uma geração e que ainda é reconhecida pela a grande ação que fez.  U.S.A For Africa é o nome de um grupo formado por muitos cantores que eram aclamados por todos durante a década de 80. Esse projeto tinha como objetivo principal arrecadar dinheiro para ajudar os vários países da África que estavam passando por uma situação ruim.  Esse projeto teve como produtor Quincy Jones, um dos maiores produtores musicais. A letra música foi composta por dois grandes artistas da época: Michael Jackson e Lionel Richie, e o clipe teve a presença de cinquenta e um artistas, incluindo os instrumentistas.  Foi uma grande iniciativa e muitos hoje olham para o clipe e dizem "eu conheço esse cantor!", mas acabam esquecendo dos outros por não conhecer o trabalho deles ou por algum