Pular para o conteúdo principal

O classicismo na música

Alô, pessoas! 
Ah, o classicismo! Que período incrível para a arte. Época do renascimento cultural e uma nova era para a ciência. Estamos falando de Leonardo da Vinci e sua Monalisa, Michelangelo e seu Davi, certo? Não! Exato, meus amigos, o classicismo musical não tem nada a ver com o classicismo artístico que ocorreu no meio da renascença. Na verdade, o classicismo sucedeu o período barroco dentro da música, isso por volta de 1750, ou seja, século XVIII. 
Por não ter um ano exato, pois foi uma transição lenta, marcamos o fim do barroco e o início do período clássico com a morte do compositor barroco Johann Sebastian Bach. Seus filhos foram responsáveis por mudar o estilo de música e de composição. 
Bach teve muitos filhos compositores, mas eles caíram no esquecimento de algumas pessoas por terem a mesma assinatura do pai. Isso não significa que eles não tiveram sua importância. Estamos falando de Johann Cristian Bach e Carl Phillip Emanuel Bach, os dois principais compositores e responsáveis pela introdução do classicismo. A partir deles vieram muitos outros anos depois, como o prodígio Wolfgang Amadeus Mozart, Muzio Clementi, Joseph Haydn e, logo no final desse período, Ludwig van Beethoven. 
Se o período barroco tinha como inspiração e contexto o próprio estilo artístico e literário de mesmo nome, o classicismo ocorreu na mesma época que o rococó e do período chamado Arcadismo. No rococó se valorizava a riqueza, a beleza e as alegrias de viver no luxo. No arcadismo, também chamado de neo-classicismo, se valorizava a a natureza e sua beleza em abundância. Isso influenciou na música. Podemos perceber isso em muitas músicas da época, que já não eram mais tão sacras — aos poucos foram ficando um pouco de lado — e se encaixavam perfeitamente com a personalidade da realeza e da burguesia. Esse estilo se chama Galante, sendo um estilo mais alegre e raramente melancólico. 
Nesse período, as sonatas e sinfonias estavam ganhando força, sendo sonata uma das formas de composição mais comuns, inclusive até o período romântico. 
Características comuns do classicismo podem ser consideradas uma remodelagem do barroco, mas com menos profundidade e uma valorização maior aos sons homofônicos, que é a principal diferença, já que no barroco se eram valorizados os sons polifônicos, como fugas. Mas esse caso também se aplica com concertos, quando muitos instrumentos se dialogam entre si. 
A evolução dos instrumentos, novas notações de partitura e novas técnicas são um ponto importante desse período, pois era algo jamais visto até então. Isso deu mais variedade para os compositores. E uma dessas evoluções foi a criação do piano, um instrumento que, na verdade, é a evolução do cravo, com modelagem diferente e sons diferentes. 
Beethoven, apesar de ser conhecido como um compositor romântico, também fez parte do período clássico, sendo o compositor de transição entre esses dois períodos. E, aos poucos, o classicismo começou a perder a sua forma e evoluir para um estilo mais focado na geração romântica do século XIX. Por volta de 1810 o classicismo acabou e deu início ao período chamado romantismo. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia

 Alô, pessoas! A filosofia e a sociologia andam praticamente de mãos dadas. Muitas ideias da sociologia se aplicam nas reflexões filosóficas a respeito do mundo e a música é um dos inúmeros exemplos que expressam essas ideias e reflexões.  Muitas músicas que conhecemos possuem letras que muitas vezes nem percebemos que estão falando de um tema abordado na filosofia ou na sociologia. Também há a questão de a música fazer referência a um filósofo ou sociólogo famoso sendo de forma intencional ou não.  Pensando nisso, reuni dez músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia. Essas músicas podem te ajudar nos estudos dos assuntos abordados nas letras ou até citar em redações de vestibulares! Vamos lá! 10- O Mundo é um Moinho (Cartola) Um conselho importantíssimo do Cartola para todos nós. Essa música segue um pouco da lógica do filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo existencialista. A ideia da música e a do filósofo está voltada para a liberdade de escolha de um indivíduo. Enquan

5 músicas para entender o Arcadismo

Alô, pessoas! O arcadismo foi um movimento artístico que se baseava na valorização da natureza, da simplicipdade da vida no campo e aversão à cidade. Esse período, no Brasil, se estendeu ao longo do século XVIII e teve fim no século XIX. As músicas que você vai conhecer não são as músicas da época, e sim letras que retratam as caractéristicas comuns no arcadismo. A música durante o período do arcadismo, que também pode ser chamado de neoclassicismo , envolve a música erudita, que não é o tipo de música que será abordada aqui.  Na intenção de ajudar aquelas pessoas que precisam de ajuda para entender os movimentos literários e tem dificuldade em interpretar a poesia árcade, reuni cinco músicas que vão auxiliar no entendimento desse movimento literário tão lindo. Vamos lá! 5- No Rancho Fundo - Chitãozinho e Xororó  A relação que essa música tem com o arcadismo é que durante a letra podemos ouvir as tristezas de um vivente no campo. Em vários versos estão presentes referências à natureza

USA For Africa (1985): Quem participou?

Alô, pessoas!  Talvez você já deve ter ouvido em algum lugar alguém cantando "we are the world, we are the children", e lembrou na mesma hora de muitos cantores cantando juntos uma música que marcou uma geração e que ainda é reconhecida pela a grande ação que fez.  U.S.A For Africa é o nome de um grupo formado por muitos cantores que eram aclamados por todos durante a década de 80. Esse projeto tinha como objetivo principal arrecadar dinheiro para ajudar os vários países da África que estavam passando por uma situação ruim.  Esse projeto teve como produtor Quincy Jones, um dos maiores produtores musicais. A letra música foi composta por dois grandes artistas da época: Michael Jackson e Lionel Richie, e o clipe teve a presença de cinquenta e um artistas, incluindo os instrumentistas.  Foi uma grande iniciativa e muitos hoje olham para o clipe e dizem "eu conheço esse cantor!", mas acabam esquecendo dos outros por não conhecer o trabalho deles ou por algum