Pular para o conteúdo principal

Resenha: Yesterday (filme)

 Alô, pessoas!

Você já imaginou como seria o mundo se os Bestles nunca tivessem existido? Bem, muito provavelmente não teríamos muitas bandas que foram inspiradas pelos Beatles, como os próprios Rolling Stones ou o Oasis. Além de que não teria a beatlemania, e muito provavelmente o penteado e as botas a la Beatles nem iriam ter tanta popularidade assim durante os anos 60.

O filme Yesterday brinca com a ideia da possibilidade de como seria o mundo se os Bestles nunca tivessem existido.

Yesterday é o nome de um filme lançado em 2019 e conta a trajetória de Jack, um músico amador que tenta fazer sucesso com suas músicas autorais, ao lado de sua agente Ellie. Certo dia, Jack sofre um acidente envolvendo sua bicicleta e um ônibus e quando acorda, descobre que ninguém se lembra dos Beatles além dele. Na tentativa de fazer com que as pessoas não se esqueçam dos Beatles, Jack começa a ser intérprete de várias músicas da banda, e age como se as músicas fossem de sua autoria. O que ele não esperava era que ele teria um grande reconhecimento mundial por isso. 

Em relação ao enredo, eu achei muito criativo, fantasioso e surpreendente em algumas cenas. Criativo no sentido de criar um mundo paralelo onde os Beatles nunca existiram. Claro que isso não significa que os integrantes de banda não nasceram. No caso do filme, era como se Paul, John, George e Ringo não tivessem se juntado e em vez de formarem uma banda, seguiram suas vidas fazendo outras coisas. Além disso, é importante lembrar do peso que Jack precisou carregar ao se apropriar de músicas de que não são dele, o que desencadeou vários conflitos internos, ao ponto de o personagem chegar à beira da insanidade. 

Um ponto relevante a ser tratado é que Jack precisa se lembrar de todas as músicas autorais gravadas pelos Beatles. Então é curioso ver s trajetória do protagonista tentando lembrar de cada música, das mais famosas como I Wanna Hold Your Hand, das menos conhecidas como Sexy Sadie — que, por sinal não foi gravada no filme. E nesse processo, ele grava as músicas como se realmente fosse em 1963, quando os Beatles lançaram o primeiro disco, tentando se aproximar ao máximo das gravações originais. 

O curioso do filme é que é abordado uma questão muito polêmica entre os fanáticos pelas músicas antigas e as pessoas que preferem ouvir músicas mais atuais, que é justamente a pergunta "as músicas dos Beatles estão ultrapassadas?". E o filme responde isso mostrando a fama que Jack alcança em tão pouco tempo com músicas como Yesterday, She Loves You, The Long and Winding Road e muitas outras, mostrando que as músicas da banda são atemporais.

O filme há muitas cenas icônicas, dignas do humor britânico, além de variar entre a comédia, o romance, o drama e um pouco de suspense e mistério, dando a um bom fã dos Beatles um ótimo filme para cantar os trechos das músicas e aproveitar para rir, se emocionar e se surpreender com situações completamente inusitadas.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia

 Alô, pessoas! A filosofia e a sociologia andam praticamente de mãos dadas. Muitas ideias da sociologia se aplicam nas reflexões filosóficas a respeito do mundo e a música é um dos inúmeros exemplos que expressam essas ideias e reflexões.  Muitas músicas que conhecemos possuem letras que muitas vezes nem percebemos que estão falando de um tema abordado na filosofia ou na sociologia. Também há a questão de a música fazer referência a um filósofo ou sociólogo famoso sendo de forma intencional ou não.  Pensando nisso, reuni dez músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia. Essas músicas podem te ajudar nos estudos dos assuntos abordados nas letras ou até citar em redações de vestibulares! Vamos lá! 10- O Mundo é um Moinho (Cartola) Um conselho importantíssimo do Cartola para todos nós. Essa música segue um pouco da lógica do filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo existencialista. A ideia da música e a do filósofo está voltada para a liberdade de escolha de um indivíduo. Enquan

5 músicas para entender o Arcadismo

Alô, pessoas! O arcadismo foi um movimento artístico que se baseava na valorização da natureza, da simplicipdade da vida no campo e aversão à cidade. Esse período, no Brasil, se estendeu ao longo do século XVIII e teve fim no século XIX. As músicas que você vai conhecer não são as músicas da época, e sim letras que retratam as caractéristicas comuns no arcadismo. A música durante o período do arcadismo, que também pode ser chamado de neoclassicismo , envolve a música erudita, que não é o tipo de música que será abordada aqui.  Na intenção de ajudar aquelas pessoas que precisam de ajuda para entender os movimentos literários e tem dificuldade em interpretar a poesia árcade, reuni cinco músicas que vão auxiliar no entendimento desse movimento literário tão lindo. Vamos lá! 5- No Rancho Fundo - Chitãozinho e Xororó  A relação que essa música tem com o arcadismo é que durante a letra podemos ouvir as tristezas de um vivente no campo. Em vários versos estão presentes referências à natureza

USA For Africa (1985): Quem participou?

Alô, pessoas!  Talvez você já deve ter ouvido em algum lugar alguém cantando "we are the world, we are the children", e lembrou na mesma hora de muitos cantores cantando juntos uma música que marcou uma geração e que ainda é reconhecida pela a grande ação que fez.  U.S.A For Africa é o nome de um grupo formado por muitos cantores que eram aclamados por todos durante a década de 80. Esse projeto tinha como objetivo principal arrecadar dinheiro para ajudar os vários países da África que estavam passando por uma situação ruim.  Esse projeto teve como produtor Quincy Jones, um dos maiores produtores musicais. A letra música foi composta por dois grandes artistas da época: Michael Jackson e Lionel Richie, e o clipe teve a presença de cinquenta e um artistas, incluindo os instrumentistas.  Foi uma grande iniciativa e muitos hoje olham para o clipe e dizem "eu conheço esse cantor!", mas acabam esquecendo dos outros por não conhecer o trabalho deles ou por algum