Pular para o conteúdo principal

Quais são os instrumentos de uma orquestra sinfônica?

 Alô, pessoas!
Se você já assistiu a uma sinfonia ou um concerto talvez em tenha passado pela sua mente o motivo para os instrumentos estarem organizados daquela forma, certo? E se isso passou pela sua mente alguma vez, é provável que tenha imaginado que os instrumentos são colocados em lugares alatórios? Idependente da sua resposta, uma orquestra sinfônica tem seus instrumentos e instrumentistas muito bem organizados para que a experiência musical seja a melhor possível.
Existem mais de um tipo de orquestra (sinfônica, filarmônica, de câmara e de música antiga), que possuem suas diferenças, por isso, o foco desse artigo vai ser na orquestra sinfônica, que, assim como a filarmônica, possui entre 80 e 100 componentes, com uma variedade bem maior de instrumentos em comparação com a orquestra de câmara, por exemplo, que possui um número reduzido de componentes (geralmente com 20) e tendo instrumentos de corda como prioridade. 


Para entender como uma orquestra sinfônica é organizada em um teatro, por exemplo, é importante entender as famílias (ou naipes) em que esses instrumentos serão colocados. Pense em um violino e no que ele tem em comum com uma guitarra elétrica. Ambos são instrumentos de corda, ou seja, as cordas vibram quando alguém as estica e essa caracterísica é o que podemos definir como família, grupo ou naipe, no exemplo citado estamos falando da ala das corda. Existem outras famílias, e as principais são:
  • Cordas;
  • Madeiras;
  • Metais;
  • Percussão.
A família das cordas envolve os instrumentos que possuem cordas, como violino, violoncelo (ou cello, como muitas pessoas chamam), contrabaixo, viola, harpa, violão e qualquer outro instrumento que necessite que uma corda seja tocada para formar um som, com exceção do piano, que causa muito debate entre ser um instrumento de corda ou de percussão.
Quanto à família das madeiras, não temos instrumentos feitos de madeira, isso porque atualmente eles são feitos de metais, no entanto, quando os instrumentos dessa família ainda estavam em sua fase primitiva, eram feitos de madeira. Para facilitar, basicamente os instrumentos dessa família são de sopro como a flauta, clarinete, oboé, fagote, contrafagote, flautim e saxofone. Lembrando que nem todos os instrumentos de sopro podem se encaixar nessa família. 
Agora, na família dos metais encontramos instrumentos de sopro feitos de metal como trompete, tuba, trombone. melofone, vuvuzela e entre muitos outros. 
Por fim, a família de percussão é aquela em que os instrumentos que necessitam de algo que bata em uma extremidade do instrumento para produzir um som característico dele. Nesse naipe podemos encontrar pandeiro, tímpano, marimba, xilofone, bateria e entre outros. 
Dentro de uma orquestra sinfônica temos os seguintes instrumentos: 
  • Cordas: violinos, violoncelos, contrabaixos, violas e harpa;
  • Madeiras: flautas, oboés, clarinetes e fagotes;
  • Metais: trompas, trompetes, trombones e tubas;
  • Percussão: tímpano, marimba, xilofone, vibrafone, triângulo, sinos, gongos, entre outros.
O piano, que é considerado um instrumento de percurssão para muitos especialistas e, para outros está entre cordas e percurssão, geralmente fica ponta, perto da harpa. Além disso, alguns outros instrumentos podem estar dentro de uma orquestra como cravo, órgão, violão e vozes, nesse caso, vai depender muito de qual peça está sendo executada e de quais instrumentos ela exige. 
Essa organização é importante para ter um aproveitamento maior dos instrumentos e criar uma sonoridade agradável ao público, de forma que nenhum instrumento atrapalhe outro. Assim, os instrumentos de sons mais graves não vão sobrepor instrumentos de sons mais agudos e vice-versa. Vale ressaltar que o maestro fica responsável por conduzir os instrumentistas e para obter melhores resultados, é importante que ele tenha uma boa visão dos componentes e que os componentes tenham uma boa visão do maestro para ver e entender o que ele está gesticulando. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Interpretação: Diáspora — Tribalistas

Alô, pessoas!  Afinal, o que é "diáspora"? Diáspora é o nome que se dá a um deslocamento, geralmente forçado, de uma grande quantidade de pessoas de uma mesma região. Atualmente esse conceito pode ser resumido como fluxo de imigração forçado ou, de um olhar mais popular,  ação praticada por refugiados.  Talvez todo mundo conhece a música Diáspora por causa da novela que passou recentemente no ano de 2019. A música foi gravada em 2017 e retrata um dos temas mais atuais que o mundo vivenciou durante o final dos anos 2010: imigração forçada.  É importante entender que a Síria é um dos países com mais imigrantes forçados do mundo, justamente por causa das guerras. A Venezuela, muito recentemente, passa por uma situação que obriga muitos venezuelanos a migrarem para o Brasil.  Não é apenas nesses dois países que há um grande fluxo de imigração forçada, é importante entender que em todo o mundo há um grande fluxo de imigração forçada e a música Diáspora chama atenção para isso, faz

5 músicas para entender o Arcadismo

Alô, pessoas! O arcadismo foi um movimento artístico que se baseava na valorização da natureza, da simplicipdade da vida no campo e aversão à cidade. Esse período, no Brasil, se estendeu ao longo do século XVIII e teve fim no século XIX. As músicas que você vai conhecer não são as músicas da época, e sim letras que retratam as caractéristicas comuns no arcadismo. A música durante o período do arcadismo, que também pode ser chamado de neoclassicismo , envolve a música erudita, que não é o tipo de música que será abordada aqui.  Na intenção de ajudar aquelas pessoas que precisam de ajuda para entender os movimentos literários e tem dificuldade em interpretar a poesia árcade, reuni cinco músicas que vão auxiliar no entendimento desse movimento literário tão lindo. Vamos lá! 5- No Rancho Fundo - Chitãozinho e Xororó  A relação que essa música tem com o arcadismo é que durante a letra podemos ouvir as tristezas de um vivente no campo. Em vários versos estão presentes referências à natureza

20 frases de músicas para citar em uma redação

Alô, pessoas!  Se você já prestou Enem ou vestibular isolado, com certeza já deu de cara com uma redação com um tema que se encaixaria perfeitamente com uma citação de algum filósofo, sociólogo ou poeta famoso, certo? Mas aí você acaba esquecendo qual é a frase ou simplesmente não consegue pensar em nenhuma, ou não conhece nenhuma.  Por isso, existem músicas com citações incríveis e que vão te fazer lembrar se você conhecer a música bem. Dessa forma, reuni 20 citações de músicas para você usar em várias de suas redações.  Essas citações não vão servir para todos os temas existentes em vestibulares, mas podem ser de grande ajuda com temas relacionados a problemas ambientais, consumismo, intolerância e preconceito, alienação, saúde, qualidade de vida, valorização de algo etc. Também podem ajudar em parágrafos em que se enfatiza algum movimento social, critica algo ou relaciona com algum fator biológico.  Antes de memorizar algumas dessas frases, lembre-se de tomar cuidado ao usá-las. Per

10 músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia

 Alô, pessoas! A filosofia e a sociologia andam praticamente de mãos dadas. Muitas ideias da sociologia se aplicam nas reflexões filosóficas a respeito do mundo e a música é um dos inúmeros exemplos que expressam essas ideias e reflexões.  Muitas músicas que conhecemos possuem letras que muitas vezes nem percebemos que estão falando de um tema abordado na filosofia ou na sociologia. Também há a questão de a música fazer referência a um filósofo ou sociólogo famoso sendo de forma intencional ou não.  Pensando nisso, reuni dez músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia. Essas músicas podem te ajudar nos estudos dos assuntos abordados nas letras ou até citar em redações de vestibulares! Vamos lá! 10- O Mundo é um Moinho (Cartola) Um conselho importantíssimo do Cartola para todos nós. Essa música segue um pouco da lógica do filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo existencialista. A ideia da música e a do filósofo está voltada para a liberdade de escolha de um indivíduo. Enquan