Pular para o conteúdo principal

Interpretação: Como Nossos Pais - Belchior

Alô, pessoas!
Como Nossos Pais é uma música atemporal. Nela podemos nos identificar idependente de nossa idade ou do contexto em que nos encontramos. Essa música foi composta por Belchior e interpretada por Elis Regina em 1976, sendo uma das músicas que marcaram a carreira dos dois artistas, sobretudo de Elis. 
Recentemente essa música passou a ficar conhecida no público mais jovem e nos youtubers estrangeiros que fazem vídeos reagindo a essa música. Embora seja uma música muito conhecida, que caiu no gosto de muitas pessoas e que aparenta ter um sentido muito óbvio, muitas pessoas não entendem muito bem o sentido dela e talvez se perguntem o motivo para ''ainda sermos os mesmos e vivemos como nossos pais''. Por isso, a análise dessa música vai tentar explicar a afirmação que a própria música faz e o que ela critica. 
Vamos lá!

Não quero lhe falar, meu grande amor
De coisas que aprendi nos discos
Quero lhe contar como eu vivi
E tudo o que aconteceu comigo

A primeira estrofre não tem muito mistério. Aparentemente, o eu-lírico vai contar um relato de algo que aconteceu com ele, mas, como vemos ao longo da música, não vemos uma narrativa de um relato e sim algo parecido com um conselho que o eu-lírico quer passar com base na sua experiência de vida.

Viver é melhor que sonhar
E eu sei que o amor é uma coisa boa
Mas também sei que qualquer canto
É menor do que a vida de qualquer pessoa

Sabemos que em 1976 o Brasil ainda passava pela Ditadura Militar e durante aqueles últimos anos, a repressão era muito presente e muitas músicas foram censuradas e artistas, sobretudo cantores, foram perseguidos. Tendo isso como base, podemos supor que o eu-lírico é uma pessoa realista, que aceita a realidade do jeito que ela é, diferente dos revolucionários da época, que cantavam como protesto, por isso a ênfase em ''qualquer canto é menor do que a vida de qualquer pessoa''. Podemos ver que o eu-lírico não vê poder na música e defende que a vida de uma pessoa é mais importante, entrando em contraposição com muitos artistas. Além disso, é possível perceber que o eu-lírico é realista ao ponto de ser ''pé no chão'', porque acredita que, apesar de amor e sonho serem maravilhosos, viver o agora é o mais importante. 

Por isso cuidado, meu bem
Há perigo na esquina
Eles venceram e o sinal está fechado pra nós
Que somos jovens

Eis a reviravolta: o eu-lírico é jovem. Vemos aqui que é um jovem aconselhando jovens, é possível ver isso no final da estrofe, quando ele diz "que somos jovens". O eu-lírico é um jovem que já passou por muita coisa, por isso aconselha uma determinada pessoa a ter cuidado com o que fala, por onde anda, com quem anda e como age em público, porque, ainda considerando a ideia de que o eu-lírico é ''pé no chão'', ele prefere se manter seguro longe de protestos ou de atitudes comuns da juventude como sair na rua com os amigos. Em seguida ele faz uma afirmação, creditando vitória a ''eles'', que, provavelmente sejam os militares ou as pessoas contra os revolucionários opositores do regime vigente. E assim, o eu-lírico afirma que não adianta protestar ou apenas andar na rua por ser perigoso para a juventude devido às pessoas que a música chamou de ''eles''.

Para abraçar seu irmão
E beijar sua menina na rua
É que se fez o seu braço
O seu lábio e a sua voz

Essa é uma das estrofres mais enigmáticas da música, mas, uma teoria é de que a estrofe está com a ordem das palavras invertidas, então, a princípio, seguindo a ordem direta das palavras, o eu-lírico diz que o braço, o lábio e a voz foram feitos para abraçar, beijar e dialogar. A relação que essa estrofe tem com o sentido da música pode estar ligada à opinião do eu-lírico. Para ele, os braços, os lábios e a voz foram feitas para demosntrar carinho e afeto e não para protestar ou brigar.

Você me pergunta pela minha paixão
Digo que estou encantada como uma nova invenção
Eu vou ficar nesta cidade, não vou voltar pro sertão
Pois vejo vir vindo no vento cheiro de nova estação
Eu sinto tudo na ferida viva do meu coração

O interessante dessa estrofe é que o tema mudou bruscamente, da mesma forma que a melodia da música. Nessa parte, o eu-lírico aparenta responder à pergunta feita e a resposta parece um tanto complexa, mas, aparentemente, o eu-lírico diz que a paixão dele é estar onde está, que provavelmente seja a cidade grande com seu potencial de modernização. Outra possibilidade de interpretação é que o eu-lírico saiu do sertão para ir à cidade grande (algo muito comum na época) e diz que sente mudanças vindo aos poucos. Essa interpretação diz muito respeito ao que o eu-lírico pensa sobre a realidade vivida por ele. Aparentemente ele espera uma nova estação, sendo de estação do ano ou de trem, ainda tem o sentido de mudança. O problema é que a música não deixa muito claro se é uma mudança boa ou ruim, mas, considerando que o eu-lírico gosta de ficar na cidade grande, é provável que ele espera por uma mudança boa. 

Já faz tempo, eu vi você na rua
Cabelo ao vento, gente jovem reunida
Na parede da memória
Essa lembrança é o quadro que dói mais

Aqui vemos um momento nostálgico do eu-lírico. Ele estaria falando com um outro jovem que faz tempo que o via, sentindo os cabelos ao vento, ao lado de outros jovens. Naquela época, era muito comum os jovens se reunirem para protestar e, considerando que o eu-lírico já não faz mais isso, sente nostalgia. Para ele, é uma lembrança dolorosa porque ele não faz mais parte desse grupo de jovens ou os jovens não saem mais na rua por causa do perigo que alertou nos versos anteriores. 

Minha dor é perceber
Que apesar de termos feito tudo o que fizemos
Ainda somos os mesmos e vivemos
Ainda somos os mesmos e vivemos
Como os nossos pais

Para mim, a autora, essa estrofe é a mais atemporal de toda a música porque ela não só combina com a temática da música, mas como também é uma reflexão para outros contextos sociais. Vemos aqui que o eu-lírico mostra o seu ponto de vista a respeito de tudo o que ele e a juventude fizeram. No caso, embora a juventude tente agir como tal, com pensamentos à frente, com a vontade de mudar o mundo e agir de forma contrária à geração anterior, para o eu-lírico, nós (a juventude) somos os mesmos que nossos pais (a geração anterior) e vivemos como eles. 

Nossos ídolos ainda são os mesmos
E as aparências não enganam, não
Você diz que depois deles
Não apareceu mais ninguém

A possível interpretação para essa estrofe é que a indústria cultural (de cinema e de música) tem uma fórmula para fazer com que um artista se torne famoso, então os ídolos não são literalmente os mesmos, mas se parecem muito e por isso as aparências não enganam. Depois o eu-lírico afirma que "você" diz que depois que esse ídolo fez sucesso, não apareceu mais ninguém que chegasse aos pés desse ídolo, mas, como havia dito anteriormente, as aparências não enganam, então será sempre os mesmos ídolos. Outra possibilidade é que "ídolos" não necessariamente é um cantor ou um ator, então "ídolos" pode ser uma metáfora para personalidades famosas que admiramos, como políticos, pintores, influenciadores de moda na época, personagens de desenho animado etc. Mas, levando em consideração que talvez a música tenha cunho político devido à época em que foi lançada, talvez "ídolos" tenha um foco um pouco maior em políticos e cantores. 

Essa estrofre ressalta o que eu-lírico quis dizer com ''semos os mesmos e vivemos como nosos pais''.

Você pode até dizer que eu tô por fora
Ou então que eu tô inventando
Mas é você que ama o passado e que não vê
É você que ama o passado e que não vê
Que o novo sempre vem

Os dois primeiros versos dizem por si só, mas eles mostram o quanto o terceiro verso critica o "você" e o chama de alienado nas entrelinhas. Diz que o novo sempre vem. Basicamente é como se o eu-lírico dissesse "não se engane achando que você está procurando ser moderno! Você age como nossos pais e esquece de olhar para o futuro porque vive olhando para o passado sem ter noção disso".

Hoje eu sei que quem me deu a ideia
De uma nova consciência e juventude
Está em casa guardado por Deus
Contando o vil metal

Talvez essa seja uma estrofe muito sensível para se abordar porque éprovávelque seja uma crítica a algum hipócrita ou alguns hopócritas. Em todo caso, "quem" pode ser mais de uma pessoa, maa pode ser que esse "quem" seja alguém que deu as ideias às pessoas (no caso, o eu-lírico) e não se misturou com os jovens, ficando assim sentado em casa, se protegendo. ''Vil metal'', significa dinheiro sujo ou dinheiro que não presta. ''Metal'', é uma expressão para dinheiro e ''vil'' é um adjetivo que tem como sinônimo algo ruim ou cruel.  

Minha dor é perceber
Que apesar de termos feito tudo, tudo, tudo, tudo o que fizemos
Nós ainda somos os mesmos e vivemos
Ainda somos os mesmos e vivemos
Ainda somos os mesmos e vivemos
Como os nossos pais

Concluindo com a repetição do refrão, o eu-lírico demonstra sua frustração com tudo aquilo que ele havia criticado anteiormente. Pode-se perceber isso na repetição da palavra ''tudo'', o que significa que, para ele, nada mudou e nada vai mudar.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Interpretação: Diáspora — Tribalistas

Alô, pessoas!  Afinal, o que é "diáspora"? Diáspora é o nome que se dá a um deslocamento, geralmente forçado, de uma grande quantidade de pessoas de uma mesma região. Atualmente esse conceito pode ser resumido como fluxo de imigração forçado ou, de um olhar mais popular,  ação praticada por refugiados.  Talvez todo mundo conhece a música Diáspora por causa da novela que passou recentemente no ano de 2019. A música foi gravada em 2017 e retrata um dos temas mais atuais que o mundo vivenciou durante o final dos anos 2010: imigração forçada.  É importante entender que a Síria é um dos países com mais imigrantes forçados do mundo, justamente por causa das guerras. A Venezuela, muito recentemente, passa por uma situação que obriga muitos venezuelanos a migrarem para o Brasil.  Não é apenas nesses dois países que há um grande fluxo de imigração forçada, é importante entender que em todo o mundo há um grande fluxo de imigração forçada e a música Diáspora chama atenção para isso, faz

5 músicas para entender o Arcadismo

Alô, pessoas! O arcadismo foi um movimento artístico que se baseava na valorização da natureza, da simplicipdade da vida no campo e aversão à cidade. Esse período, no Brasil, se estendeu ao longo do século XVIII e teve fim no século XIX. As músicas que você vai conhecer não são as músicas da época, e sim letras que retratam as caractéristicas comuns no arcadismo. A música durante o período do arcadismo, que também pode ser chamado de neoclassicismo , envolve a música erudita, que não é o tipo de música que será abordada aqui.  Na intenção de ajudar aquelas pessoas que precisam de ajuda para entender os movimentos literários e tem dificuldade em interpretar a poesia árcade, reuni cinco músicas que vão auxiliar no entendimento desse movimento literário tão lindo. Vamos lá! 5- No Rancho Fundo - Chitãozinho e Xororó  A relação que essa música tem com o arcadismo é que durante a letra podemos ouvir as tristezas de um vivente no campo. Em vários versos estão presentes referências à natureza

20 frases de músicas para citar em uma redação

Alô, pessoas!  Se você já prestou Enem ou vestibular isolado, com certeza já deu de cara com uma redação com um tema que se encaixaria perfeitamente com uma citação de algum filósofo, sociólogo ou poeta famoso, certo? Mas aí você acaba esquecendo qual é a frase ou simplesmente não consegue pensar em nenhuma, ou não conhece nenhuma.  Por isso, existem músicas com citações incríveis e que vão te fazer lembrar se você conhecer a música bem. Dessa forma, reuni 20 citações de músicas para você usar em várias de suas redações.  Essas citações não vão servir para todos os temas existentes em vestibulares, mas podem ser de grande ajuda com temas relacionados a problemas ambientais, consumismo, intolerância e preconceito, alienação, saúde, qualidade de vida, valorização de algo etc. Também podem ajudar em parágrafos em que se enfatiza algum movimento social, critica algo ou relaciona com algum fator biológico.  Antes de memorizar algumas dessas frases, lembre-se de tomar cuidado ao usá-las. Per

10 músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia

 Alô, pessoas! A filosofia e a sociologia andam praticamente de mãos dadas. Muitas ideias da sociologia se aplicam nas reflexões filosóficas a respeito do mundo e a música é um dos inúmeros exemplos que expressam essas ideias e reflexões.  Muitas músicas que conhecemos possuem letras que muitas vezes nem percebemos que estão falando de um tema abordado na filosofia ou na sociologia. Também há a questão de a música fazer referência a um filósofo ou sociólogo famoso sendo de forma intencional ou não.  Pensando nisso, reuni dez músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia. Essas músicas podem te ajudar nos estudos dos assuntos abordados nas letras ou até citar em redações de vestibulares! Vamos lá! 10- O Mundo é um Moinho (Cartola) Um conselho importantíssimo do Cartola para todos nós. Essa música segue um pouco da lógica do filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo existencialista. A ideia da música e a do filósofo está voltada para a liberdade de escolha de um indivíduo. Enquan