Pular para o conteúdo principal

Resenha: "Elvis" (filme)

Alô, pessoas!
Quem é Elvis Presley, eis a questão. O filme Elvis (2022) tenta responder não quem foi o Elvis e sim quem é o Elvis, mas não um Elvis qualquer, é o Elvis Presley.
Dirigido por Baz Luhrmann, com um roteiro muito bem escrito, um elenco de peso e cenas que fazem qualquer um sentir emoção, Elvis conta a história do também conhecido como Rei do Rock, passeando pela trajetória de sua vida desde a infância, mostrando suas influências que o fizeram se apaixonar pela música, seu início de carreira em 1955, seus sonhos e medos até sua morte em 1977. No filme, como muitos outros biográficos, conhecemos as pessoas que conviveram com o Elvis (interpretado por Austin Butler, que por sinal fez uma ótima atuação e que me surpreendeu com a semelhança com o Elvis), os hábitos, os problemas pessoais e desejos. Porém, o que diferencia essa produção de outras é que vemos a história ser contada pelo Coronel Tom Parker, interpretado por Tom Hanks. Ao longo do filme vemos a visão que Parker tinha para com o Elvis, isso o filme deixa bem claro em cenas em que o personagem dá a sua opinião a respeito de alguma situação enquanto está narrando, muitas vezes chamando o Elvis de "meu rapaz" (my boy).
Nesse caso, a pergunta que deveria ser feita agora é: quem é o Coronel Tom Parker? Qual a relevância dele no filme? De modo geral, ele foi o responsável por jogar a carreira do Elvis no topo, foi ele quem olhou para o Elvis em uma apresentação pouco importante e viu o sucesso chegando só de ver o jovem Elvis Presley dançando e conquistando as jovens só balançando os quadris. Mas para além disso, ele decidia o que o Elvis seria, era ele quem sabia o que o show biz queria e, consequentemente, era ele quem mais queria receber crédito pela fama do Elvis, sendo alguém muito importante para o cantor e muito inteligente. A partir da percepção do Coronel Tom Parker, vemos a sua influência para a carreira do Elvis, influência essa que é bem retratada no filme, sendo uma explicação para o segundo trailer publicado pelo canal oficial da Warner Bros. Pictures Brasil, ao vemos uma cena do Parker afirmando que sem ele, o Elvis Presley jamais existiria.
Ao assistir o filme, fora da perspectiva do empresário, vemos o quão Elvis sempre foi um rapaz muito sonhador e ambicioso, que faria de tudo para que as pessoas que ele amava ficassem felizes. Mas como nem tudo são flores (e quem é fã do cantor sabe), o filme mostra em enquadramentos algumas vezes focados no rosto do ator, para mostrar o que Elvis estava sentindo em determianda cena como tristeza, paixão, aflição, alegria e cansaço. Além disso, é interessante ver como a atuação dos elenco de protagonistas (e figurantes também, diga-se de passagem) se esforçaram e deram o seu melhor. Não é apenas no Elvis que vemos e sabemos o que ele sente mesmo sem falar uma palavra. Em algumas cenas é capaz perceber o que o Coronel Tom Parker está pensando quando viu o cantor se apresentar várias e várias vezes em diversos lugares, o que Priscilla Presley (Olivia DeJonge) sente ao perceber o distanciamento do marido e o que as fãs do jovem Elvis sentiram quando viram ele balançar os quadris. Como havia falado antes, o roteiro foi muito bem escrito e isso misturado com uma boa direção e uma boa atuação é o que torna esse filme único e diferente dos outros filmes biográficos. 
O filme também é cheio de cenas que surpreendem tamanha semelhança com a gravações originais. Há também momentos que não só marcaram a história dos Estados Unidos, como também marcaram a vida do cantor, segundo o filme, o que abre espaço para uma (das muitas) discussão muito séria. Os Estados Unidos dos anos 50 possuíam uma política segregadora e racista — além de ser muito conservadora —, e um dos primeiros problemas que Elvis teve que enfrentar no início da carreira era, principalmente, lidar com o conservadorismo estadunidense, que não gostava nem um pouco da forma que o Elvis dançava e o  motivo para tanto barulho por causa de uma simples dança é muito bem explicado no filme. 
No geral, é um filme muito bom. Com uma trilha sonora maravilhosa, um segmento de enredo um pouco confuso no início — mas que é explicado conforme o tempo vai passando —, diálogos marcantes, cenas emocionantes e nuances do glamour e do  brilho aumentando ao longo do filme. Embora o filme ultrapasse um pouco mais das duas horas de duração, ele é tão cativante que nem se percebe o tempo passar. Vale muito a pena assistir!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia

 Alô, pessoas! A filosofia e a sociologia andam praticamente de mãos dadas. Muitas ideias da sociologia se aplicam nas reflexões filosóficas a respeito do mundo e a música é um dos inúmeros exemplos que expressam essas ideias e reflexões.  Muitas músicas que conhecemos possuem letras que muitas vezes nem percebemos que estão falando de um tema abordado na filosofia ou na sociologia. Também há a questão de a música fazer referência a um filósofo ou sociólogo famoso sendo de forma intencional ou não.  Pensando nisso, reuni dez músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia. Essas músicas podem te ajudar nos estudos dos assuntos abordados nas letras ou até citar em redações de vestibulares! Vamos lá! 10- O Mundo é um Moinho (Cartola) Um conselho importantíssimo do Cartola para todos nós. Essa música segue um pouco da lógica do filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo existencialista. A ideia da música e a do filósofo está voltada para a liberdade de escolha de um indivíduo. Enquan

5 músicas para entender o Arcadismo

Alô, pessoas! O arcadismo foi um movimento artístico que se baseava na valorização da natureza, da simplicipdade da vida no campo e aversão à cidade. Esse período, no Brasil, se estendeu ao longo do século XVIII e teve fim no século XIX. As músicas que você vai conhecer não são as músicas da época, e sim letras que retratam as caractéristicas comuns no arcadismo. A música durante o período do arcadismo, que também pode ser chamado de neoclassicismo , envolve a música erudita, que não é o tipo de música que será abordada aqui.  Na intenção de ajudar aquelas pessoas que precisam de ajuda para entender os movimentos literários e tem dificuldade em interpretar a poesia árcade, reuni cinco músicas que vão auxiliar no entendimento desse movimento literário tão lindo. Vamos lá! 5- No Rancho Fundo - Chitãozinho e Xororó  A relação que essa música tem com o arcadismo é que durante a letra podemos ouvir as tristezas de um vivente no campo. Em vários versos estão presentes referências à natureza

USA For Africa (1985): Quem participou?

Alô, pessoas!  Talvez você já deve ter ouvido em algum lugar alguém cantando "we are the world, we are the children", e lembrou na mesma hora de muitos cantores cantando juntos uma música que marcou uma geração e que ainda é reconhecida pela a grande ação que fez.  U.S.A For Africa é o nome de um grupo formado por muitos cantores que eram aclamados por todos durante a década de 80. Esse projeto tinha como objetivo principal arrecadar dinheiro para ajudar os vários países da África que estavam passando por uma situação ruim.  Esse projeto teve como produtor Quincy Jones, um dos maiores produtores musicais. A letra música foi composta por dois grandes artistas da época: Michael Jackson e Lionel Richie, e o clipe teve a presença de cinquenta e um artistas, incluindo os instrumentistas.  Foi uma grande iniciativa e muitos hoje olham para o clipe e dizem "eu conheço esse cantor!", mas acabam esquecendo dos outros por não conhecer o trabalho deles ou por algum