Pular para o conteúdo principal

10 momentos icônicos do Rock in Rio

 Alô, pessoas!
O Rock In Rio é um dos festivais mais famosos do mundo. Conhecido por sua variedade de estilos musicais e sua superprodução para montar a tão famigerada Cidade do Rock a cada dois anos desde 2015, o Rock In Rio acumulou grandes momentos icônicos desde 1985 que até hoje encatam brasileiros e impressionam os estrangeiros. 
Em cada edição do festival houve pelo menos um momento que marcou a história da música como um todo, seja de uma forma constrangedora para o artista, seja de uma forma benéfica que fez o público enlouquecer. Pensando nisso, juntei os dez momentos mais icônicos do Rock In Rio que alguns até hoje são lembrados e outros foram deixado de lado com o passar dos anos. 
Vamos lá!

1- Hebert Viana (Os Paralamas do Sucesso) criticando as vaias - Rock in Rio 1985
No primeiro Rock In Rio, além de aplausos e elogios, havia muitas vaias para artistas brasileiros. A line-up de 1985 estava um pouco diversificada demais para um público que não estava tão acostumado com mistura de sons (Mpb e Heavy Metal no mesmo dia, por exemplo). Algumas pessoas queriam ouvir as bandas estrangeiras e quando as bandas brasileiras não empolgavam o suficiente o público, eles vaiavam. 
Hebert Viana fez um desabafo, mostrando sua frustração em ver como as pessoas estavam se comportando para com o show do Kid Abelha, que havia tocando antes de Os Paralamas do Sucesso. 

2- Freddie Mercury (Queen) cantando Love Of My Life - Rock in Rio 1985
O Queen vir ao Brasil pela primeira vez já é um momento icônico, mas Freddie Mercury regendo um coral de fãs sul-americanos em 1985 marcou a história mundial. Muitos brasileiros conhecem melhor a versão de Love Of My Life ao vivo no Rock In Rio de 1985, do que propiramente a versão gravada em estúdio. Esse momento foi tão icônico para o Queen e para os brasileiros que no filme Bohemian Rhapsody (2018) há uma cena mostrando o momento em que Freddie Mercury dá a voz para um mar de pessoas cantando a música. 



3- Lobão demonstrando sua insatisfação com as vaias - Rock In Rio 1991
Nessa edição, ocorrida no Maracanã, Lobão iria se apresentar no mesmo dia que Sepultura e Megadeath, ele estava entre essas duas bandas e isso deixou o público ansioso para as atrações mais heavy metal. Quando Lobão pisou no palco, havia pessoas que aplaudiam, mas as vaias começaram graduamente e virou uma mistura de aplausos e vaias. Devido à sua insatisfação com as vaias, Lobão criticou as pessoas que estavam vaiando, utilizou palavrões e saiu do palco antes de terminar o show. Após isso, entrou os integrantes da Mangueira, pois já estava programado que iriam entrar para tocar com Lobão. O show terminou aos 6 minutos com samba, vaias e fãs aniosos por heavy metal.



4- Três minutos de silêncio pela paz e por um mundo melhor - Rock In Rio 2001
Antes da terceira edição do festival começar definitivamente, houve três minutos de silêncio a favor da paz. O Rock In Rio desse ano foi marcado pelos três minutos de silêncio, acompanhados pela televisão e pelo rádio. Esse momento foi registrado na televisão com reflexões sobre paz e nas rádios foram trasmitidias sons de um coração humano batento. 



5- Carlinhos Brown e a chuva de vaias e de garrafas - Rock In Rio 2001
Aquela que é mais temida: as vaias. Carlinhos Brown cantava A Namorada quando uma escolha ruim de palavras fez com que as pessoas começassem a vaiá-lo. A cena ficou marcada pelo cantor andar na área que divide o público em dois e receber uma chuva de garrafas plásticas e gritos, enquanto ainda cantava A Namorada. 
Apesar de sua notável frustração, Carlinhos Brown se manteve calmo e tentou acalmar o público segurando um cartaz que ele pegou de uma pessoa. Dizia no cartaz uma mensagem de paz e Carlinhos Brown comentou: “Pode jogar o que você quiser que eu sou da paz e nada me atinge! Eu sou da paz!”.



6- Nick Oliveri (Queens Of The Stone Age) se apresentando sem roupas - Rock In Rio 2001
Após subir ao palco completamente pelado, por 20 minutos de show, Nick Oliveri teve que vestir roupas e quase foi preso por atentado ao pudor. Ele afirmou que que não sabia que não podia, pois julgou que era algo normal, com base no que via com o Carnaval.

Foto: O Globo

7- Fãs de Katy Perry cantando ''meu nome é Júlia'' - Rock In Rio 2015
Depois do sucesso de Dark Horse aqui no Brasil em 2014, veio o vídeo de uma menina que cantava essa música e na frase ''there's no going back'', a menina troca por ''meu nome é Júlia''. O vídeo viralizou e quando Katy Perry cantou essa música ao vivo, os fãs cantaram o mesmo que a menina do vídeo quando Katy Perry parou de cantar e deu a vez para os fãs. 



8- Scorpions cantando Cidade Maravilhosa e a guitarra verde e amarela de 1985 - Rock in Rio 2019
Esse show teve muitos momentos marcantes que entraram na memória de quem assistiu, mas a banda alemã Scorpions não só fez história com esse show, como também trouxe história ao usar uma guitarra de 1985 usada no primeiro Rock In Rio da banda feita especialmente pensada no Brasil. A guitarra tem o mesmo formato da logo do Rock in Rio.
Foto: Scorpions Brazil


9- Billy Idol e sua banda tendo problemas com o retorno - Rock in Rio 2022
É comum alguns artistas terem problemas com o retorno e quando isso acontece, acaba sendo uma experiência ruim para os artistas e para os fãs. No caso de Billy Idol, além do problema com o retorno, durante a clássica Eyes Without A Face, o cantor teve que recomeçar a música três vezes, o que deixou os espectadores preocupados e alguns até frustrados com o show. 



10- Chris Martin (Coldplay) falando e cantando em português - Rock in Rio 2022
É comum cantores não falantes do português tentarem falar português com o público em um show no qual a maioria é falante do idioma, mas normalmente são frases curtas como "obrigado, Brasil" ou "oi, tudo bem com vocês?". No caso de Chris Martin, esse ato foi além de frases curtas, pois teve direito até da música Magic ser cantada uma parte em português. Algo que emocionou e impressionou muitos fãs.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia

 Alô, pessoas! A filosofia e a sociologia andam praticamente de mãos dadas. Muitas ideias da sociologia se aplicam nas reflexões filosóficas a respeito do mundo e a música é um dos inúmeros exemplos que expressam essas ideias e reflexões.  Muitas músicas que conhecemos possuem letras que muitas vezes nem percebemos que estão falando de um tema abordado na filosofia ou na sociologia. Também há a questão de a música fazer referência a um filósofo ou sociólogo famoso sendo de forma intencional ou não.  Pensando nisso, reuni dez músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia. Essas músicas podem te ajudar nos estudos dos assuntos abordados nas letras ou até citar em redações de vestibulares! Vamos lá! 10- O Mundo é um Moinho (Cartola) Um conselho importantíssimo do Cartola para todos nós. Essa música segue um pouco da lógica do filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo existencialista. A ideia da música e a do filósofo está voltada para a liberdade de escolha de um indivíduo. Enquan

5 músicas para entender o Arcadismo

Alô, pessoas! O arcadismo foi um movimento artístico que se baseava na valorização da natureza, da simplicipdade da vida no campo e aversão à cidade. Esse período, no Brasil, se estendeu ao longo do século XVIII e teve fim no século XIX. As músicas que você vai conhecer não são as músicas da época, e sim letras que retratam as caractéristicas comuns no arcadismo. A música durante o período do arcadismo, que também pode ser chamado de neoclassicismo , envolve a música erudita, que não é o tipo de música que será abordada aqui.  Na intenção de ajudar aquelas pessoas que precisam de ajuda para entender os movimentos literários e tem dificuldade em interpretar a poesia árcade, reuni cinco músicas que vão auxiliar no entendimento desse movimento literário tão lindo. Vamos lá! 5- No Rancho Fundo - Chitãozinho e Xororó  A relação que essa música tem com o arcadismo é que durante a letra podemos ouvir as tristezas de um vivente no campo. Em vários versos estão presentes referências à natureza

USA For Africa (1985): Quem participou?

Alô, pessoas!  Talvez você já deve ter ouvido em algum lugar alguém cantando "we are the world, we are the children", e lembrou na mesma hora de muitos cantores cantando juntos uma música que marcou uma geração e que ainda é reconhecida pela a grande ação que fez.  U.S.A For Africa é o nome de um grupo formado por muitos cantores que eram aclamados por todos durante a década de 80. Esse projeto tinha como objetivo principal arrecadar dinheiro para ajudar os vários países da África que estavam passando por uma situação ruim.  Esse projeto teve como produtor Quincy Jones, um dos maiores produtores musicais. A letra música foi composta por dois grandes artistas da época: Michael Jackson e Lionel Richie, e o clipe teve a presença de cinquenta e um artistas, incluindo os instrumentistas.  Foi uma grande iniciativa e muitos hoje olham para o clipe e dizem "eu conheço esse cantor!", mas acabam esquecendo dos outros por não conhecer o trabalho deles ou por algum