Pular para o conteúdo principal

A música barroca

Alô, pessoas!
Provavelmente você já ouviu falar no termo "Barroco", e se a primeira coisa que lhe veio à mente foi algum livro antigo, você está no caminho certo. O Barroco foi muito mais além que literatura, pintura e escultura, a música nessa época foi o empurrão que o mundo precisava para dar origem o que chamamos de música erudita. 
O significado de "barroco" condiz com algo caprichoso, e, dentro da música, o barroco é o período onde várias peças passam por uma composição expressiva e harmoniosa, utilizando de ornamentos e polifonias. Começou por volta do século XVI, na Itália e sucedeu o período renascentista, que, apesar de ter muitas obras ligadas à religião, estava tentando a ter um foco no que era considerado profano na época. Com o Barroco não foi diferente, mas estava mais explícito artes que não focavam na igreja católica, já que a Europa passava por um momento de reformas protestantes. Entretanto, não significa que as artes não estavam ligadas à igreja, pois muitos compositores da época tinham seu foco em compor músicas para Deus. Um exemplo disso é a música Jesus Alegria dos Homens, de Bach. 
Vivaldi é um dos maiores exemplos da música barroca ao que se diz respeito à músicas sacras, já que Vivaldi foi ordenado padre e muitas de suas músicas eram dedicadas a Deus. Mas é importante lembrar que seu repertório não foi totalmente sacro. 
Johann Sebastian Bach é a principal referência do que se define como música barroca. Bach foi mais conhecido da época e usado até hoje como uma referência para aprendizado em prática, técnica e teoria musical. O repertório desse compositor é incrivelmente grande, mas essa grandiosidade não ofusca outros compositores como Vivaldi, Handel e Scarlati. 
Esses compositores têm várias coisas em comum, principalmente o uso dos baixos. Em várias músicas barrocas, podemos ver como os baixos ganham um destaque especial, de forma que sirva de resposta para a frase. É perceptível isso em vários minuetos de Bach. 
Se for comparar a música barroca, clássica e romântica, podemos perceber uma diferença gritante de ornamentos e arranjos. Enquanto na música clássica temos notas repetidas e normalmente agudas, na música romântica temos grupetos, pedais e ligaduras, na música barroca temos mordentes, trinados e polirritmias e polifonias.
Os instrumentos mais comuns desse período são o cravo, o órgão e os instrumentos de corda como violino, violoncelo e contrabaixo. O piano não faz parte porque o piano é uma evolução do cravo, que iria vir a aparecer ainda no século XVIII. 
Em função das novas correntes artísticas que estavam aparecendo, foi no barroco que o que conhecemos como ópera surgiu. A música estava presente nos teatros e a que ganha mais destaque é Orfeu, de Claudio Monteverdi. A ópera tinha como função mudar o formato do teatro grego. 
O período barroco, dentro do meio da música, terminou no ano em que Bach morreu, em 1750. Assim, os filhos dele e diversos outros compositores, foram a transição do barroco para o clássico.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia

 Alô, pessoas! A filosofia e a sociologia andam praticamente de mãos dadas. Muitas ideias da sociologia se aplicam nas reflexões filosóficas a respeito do mundo e a música é um dos inúmeros exemplos que expressam essas ideias e reflexões.  Muitas músicas que conhecemos possuem letras que muitas vezes nem percebemos que estão falando de um tema abordado na filosofia ou na sociologia. Também há a questão de a música fazer referência a um filósofo ou sociólogo famoso sendo de forma intencional ou não.  Pensando nisso, reuni dez músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia. Essas músicas podem te ajudar nos estudos dos assuntos abordados nas letras ou até citar em redações de vestibulares! Vamos lá! 10- O Mundo é um Moinho (Cartola) Um conselho importantíssimo do Cartola para todos nós. Essa música segue um pouco da lógica do filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo existencialista. A ideia da música e a do filósofo está voltada para a liberdade de escolha de um indivíduo. Enquan

5 músicas para entender o Arcadismo

Alô, pessoas! O arcadismo foi um movimento artístico que se baseava na valorização da natureza, da simplicipdade da vida no campo e aversão à cidade. Esse período, no Brasil, se estendeu ao longo do século XVIII e teve fim no século XIX. As músicas que você vai conhecer não são as músicas da época, e sim letras que retratam as caractéristicas comuns no arcadismo. A música durante o período do arcadismo, que também pode ser chamado de neoclassicismo , envolve a música erudita, que não é o tipo de música que será abordada aqui.  Na intenção de ajudar aquelas pessoas que precisam de ajuda para entender os movimentos literários e tem dificuldade em interpretar a poesia árcade, reuni cinco músicas que vão auxiliar no entendimento desse movimento literário tão lindo. Vamos lá! 5- No Rancho Fundo - Chitãozinho e Xororó  A relação que essa música tem com o arcadismo é que durante a letra podemos ouvir as tristezas de um vivente no campo. Em vários versos estão presentes referências à natureza

USA For Africa (1985): Quem participou?

Alô, pessoas!  Talvez você já deve ter ouvido em algum lugar alguém cantando "we are the world, we are the children", e lembrou na mesma hora de muitos cantores cantando juntos uma música que marcou uma geração e que ainda é reconhecida pela a grande ação que fez.  U.S.A For Africa é o nome de um grupo formado por muitos cantores que eram aclamados por todos durante a década de 80. Esse projeto tinha como objetivo principal arrecadar dinheiro para ajudar os vários países da África que estavam passando por uma situação ruim.  Esse projeto teve como produtor Quincy Jones, um dos maiores produtores musicais. A letra música foi composta por dois grandes artistas da época: Michael Jackson e Lionel Richie, e o clipe teve a presença de cinquenta e um artistas, incluindo os instrumentistas.  Foi uma grande iniciativa e muitos hoje olham para o clipe e dizem "eu conheço esse cantor!", mas acabam esquecendo dos outros por não conhecer o trabalho deles ou por algum