Pular para o conteúdo principal

Os legados da Semana de Arte Moderna de 1922 para a música

Alô, pessoas!  

A Semana de Arte Moderna teve seu primeiro dia datado em 13 de fevereiro de 1922. Ocorreu entre 13 e 17 de fevereiro. Há 100 anos artistas modernistas brasileiros se juntaram em São Paulo para mostrar ao Brasil e ao mundo o que a arte modernista tinha para oferecer. Principalmente artistas plásticos e escritores fizeram parte esse grande evento, mas claro que a música também esteve presente — em um protagonismo um pouco menor. A intenção desses artistas era mostrar uma nova percepção de arte para os brasileiros. Uma visão abrasileirada da arte europeia, tendo como principal objetivo mostrar o jeitinho brasileiro de fazer arte.  

A arte moderna brasileira tem como inspiração as famosas vanguardas europeias, que em diferentes lugares da Europa criaram estéticas novas para, principalmente, pinturas. Esses novos estilos de arte rompiam totalmente com o padrão de pintura da época. Tudo isso foi influenciado primeiramente pelo impressionismo francês no século XIX, algo que refletiu muito na música também, diga-se de passagem. No século XX temos expressionismo, surrealismo, cubismo, futurismo, dadaísmo e muitos outros movimentos; e foram esses movimentos que deram origem à Semana de Arte Moderna no Brasil.  

Inicialmente os artistas criaram muita expectativa com o evento, mas a repercussão esperada não foi a mesma. Houve muita divergência por parte de especialistas e o próprio Monteiro Lobato fez um comentário muito rude a respeito das obras apresentadas. Além dos comentários rudes, houve muita vaia.  

Como foi dito, a música estava presente no evento e ninguém mais, ninguém menos que Heitor Villa-Lobos ia se apresentar no Teatro Municipal de São Paulo. Infelizmente, a sorte também não sorriu para ele, pois também foi muito vaiado porque os expectadores acharam um absurdo um maestro se vestir de forma tão irreverente quanto as pinturas, as esculturas e os poemas. Villa-Lobos estava com uma inflamação em seu pé, o que o impediu de usar sapatos, então, para se apresentar, ele usou um sapato formal em um pé e no outro usou um chinelo. Além disso, complementou seu visual com uma casaca, uma vestimenta muito formal. Tudo isso contribuiu para que o seu público criticasse o compositor e sua presença no evento ficou mais conhecida por causa da forma que ele estava vestido.  

Villa-Lobos foi o único compositor profissional convidado e sua primeira impressão não foi uma das melhores, além de que, segundo especialistas como o professor de literatura da PUC-Rio, Frederico Oliveira Coelho, em uma entrevista com o site IHU Online: ''basta pensarmos, por exemplo, que não tiveram novas músicas compostas por Villa-Lobos para as apresentações no Municipal de São Paulo'', ou seja, Villa-Lobos não apresentou nada de novo no evento, no entanto, já naquela época ele já tinha uma estética que era norteada pela brasilidade e era reconhecido como um grande compositor e maestro.  

A Semana de Arte Moderna teve muita repercussão negativa devido a não aceitação daquilo que é novo. Sendo assim, talvez fosse impossível deixar um legado positivo para história do Brasil. No entanto, esse grande evento deixou mais legados que podemos imaginar para a arte como um todo! E o legado que essa semana deixou para a música é surpreendente.  

Anos depois do evento, o movimento modernista continuou entre os escritores, pintores e escultores. Na música, é relativo dizer que faz parte do movimento ao longo de suas fases, mas podemos dizer com absoluta certeza que a música brasileira não seria a mesma sem o movimento modernista e sem a Semana de Arte Moderna de 1922 por vários motivos. Um deles é que essa ideia de buscar a brasilidade em uma arte estrangeira para criar algo original foi o que motivou muitos artistas como o próprio Villa-Lobos a misturar música erudita de raízes europeias com a música popular criada em solo brasileiro como samba e chorinho. A mistura desses elementos em busca de algo novo trouxe nomes como Tom Jobim (maestro e compositor), Vinícius de Moraes (compositor e escritor), Osvaldo Lacerda (pianista e compositor), Francisco Mignone (compositor) e entre outros grandes nomes da bossa nova, da mpb e da música erudita brasileira.  

Outro legado para a música é a influência de buscar a irreverência ao antigo, ao ultrapassado. Um ótimo exemplo é o tropicalismo, um movimento musical que aconteceu nos anos 1960 aqui Brasil, que tinha inspiração, sobretudo, no movimento antropofágico de Oswald de Andrade — um importante modernista — que presava na absorção da arte estrangeira para criar algo genuinamente brasileiro. A música da Tropicália segue a mesma lógica dos poemas modernistas no quesito mudança de forma de se expressar, tentando sempre se opor ao comum e inovando estéticas de escrita, de musicalidade e de ritmos.  

Embora a Semana de Arte Moderna não tenha alcançado a fama merecida em sua época, ela foi de extrema importância para a arte no geral e sem essa semana de apenas três dias, o mundo artístico brasileiro seria totalmente diferente. Por isso cabe a nós relembrarmos desse momento que inspirou, inspira e sempre vai inspirar novos artistas, seja de modo direto, seja de modo indireto. 





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia

 Alô, pessoas! A filosofia e a sociologia andam praticamente de mãos dadas. Muitas ideias da sociologia se aplicam nas reflexões filosóficas a respeito do mundo e a música é um dos inúmeros exemplos que expressam essas ideias e reflexões.  Muitas músicas que conhecemos possuem letras que muitas vezes nem percebemos que estão falando de um tema abordado na filosofia ou na sociologia. Também há a questão de a música fazer referência a um filósofo ou sociólogo famoso sendo de forma intencional ou não.  Pensando nisso, reuni dez músicas que fazem referências à filosofia e à sociologia. Essas músicas podem te ajudar nos estudos dos assuntos abordados nas letras ou até citar em redações de vestibulares! Vamos lá! 10- O Mundo é um Moinho (Cartola) Um conselho importantíssimo do Cartola para todos nós. Essa música segue um pouco da lógica do filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo existencialista. A ideia da música e a do filósofo está voltada para a liberdade de escolha de um indivíduo. Enquan

5 músicas para entender o Arcadismo

Alô, pessoas! O arcadismo foi um movimento artístico que se baseava na valorização da natureza, da simplicipdade da vida no campo e aversão à cidade. Esse período, no Brasil, se estendeu ao longo do século XVIII e teve fim no século XIX. As músicas que você vai conhecer não são as músicas da época, e sim letras que retratam as caractéristicas comuns no arcadismo. A música durante o período do arcadismo, que também pode ser chamado de neoclassicismo , envolve a música erudita, que não é o tipo de música que será abordada aqui.  Na intenção de ajudar aquelas pessoas que precisam de ajuda para entender os movimentos literários e tem dificuldade em interpretar a poesia árcade, reuni cinco músicas que vão auxiliar no entendimento desse movimento literário tão lindo. Vamos lá! 5- No Rancho Fundo - Chitãozinho e Xororó  A relação que essa música tem com o arcadismo é que durante a letra podemos ouvir as tristezas de um vivente no campo. Em vários versos estão presentes referências à natureza

USA For Africa (1985): Quem participou?

Alô, pessoas!  Talvez você já deve ter ouvido em algum lugar alguém cantando "we are the world, we are the children", e lembrou na mesma hora de muitos cantores cantando juntos uma música que marcou uma geração e que ainda é reconhecida pela a grande ação que fez.  U.S.A For Africa é o nome de um grupo formado por muitos cantores que eram aclamados por todos durante a década de 80. Esse projeto tinha como objetivo principal arrecadar dinheiro para ajudar os vários países da África que estavam passando por uma situação ruim.  Esse projeto teve como produtor Quincy Jones, um dos maiores produtores musicais. A letra música foi composta por dois grandes artistas da época: Michael Jackson e Lionel Richie, e o clipe teve a presença de cinquenta e um artistas, incluindo os instrumentistas.  Foi uma grande iniciativa e muitos hoje olham para o clipe e dizem "eu conheço esse cantor!", mas acabam esquecendo dos outros por não conhecer o trabalho deles ou por algum